terça-feira, 24 de junho de 2014

Corda-de-viola


Ipomoea hederifolia L.


SERIE: PLANTAS QUE ATRAEM BEIJA-FLORES

Além do néctar, observem a riqueza do pólen

Angiospermae – Familia Convovulaceae

Também conhecida por jitirana, jitirana-vermelha e corriola.
É uma trepadeira herbácea, volúvel, anual, de crescimento vigoroso, muito florífera, nativa do Brasil. Folhas inteiras ou com três recortes profundos.

MACHO - ADULTO
Estrelinha-ametista – Calliphlox amethystina

Inflorescências axilares, curtas, com flores vermelhas, pequenas, em forma de funil, formadas na primavera-verão quando a planta é espontânea. Ocorre raramente de flores amarelas.

Adequada para revestir grades, muros, cercas ou pórticos, proporcionando belo efeito ornamental. A tendência de formar numerosas mudas espontâneas leva-a a ser considerada “planta invasora”.

FEMEA - ADULTO
Estrelinha-ametista – Calliphlox amethystina, volto a chamar a tenção para o pólen, na cabeça do beija-flor

Multiplica-se facilmente através de sementes, que podem ser postas para germinação o ano todo.

Citação: Plantas Ornamentais no Brasil – Harri Lorenzi, Hermes Moreira de Souza.

MACHO -A DULTO
Besourinho-de-bico-vermelho- Chlostilbon lucidus, observem a quantidade de pólen, da flor ,da Corda-de-viola, abaixo do bico.


Plantas invasoras

Sua importância para os beija-flores

Na Natureza tudo tem sua importância, sua razão de ser.
O homem, na sua inconsequência às vezes tira do caminho, aquilo que julga estar atrapalhando. Muitas vezes acaba eliminando aquilo que teria grande significado no 
ecossistema.

MACHO - ADULTO
Beija-flor-de-orelha-violeta- Colibri serrisrostris, ao lado ramos da planta, detalhe do polén na cabeça da ave.

No caso aqui menciono esta planta. A pesquisei aqui em Arceburgo-MG, na estância mirante da onça, que tem as seguinte coordenadas geográficas:  S 21º 23' 59.00", W 46º 54' 47.34" , que tem como Bioma predominante a Mata Atlântica, com altitude de 800 metros  Pude constatar que ela recebe a visita de  de 5 espécies de beija-flores, que por mais de 3 meses ficaram num grande espaço, no topo de um morro. Fizeram dela sua principal fonte de alimentação neste período. As espécies avistadas foram.

1-Estrelinha-ametista – Calliphlox amethystina
2-Besourinho-de-bico-vermelho- Chlostilbon lucidus
3-Beija-flor-de-orelha-violeta- Colibri serrisrostris
4-Tesourão- Eupetomena macroura
5-Beija-flor-rabo-branco-acanelado – Phaethornis pretei

Tesourão- Eupetomena macroura

Com certeza, nesta região existem outras espécies de beija-flores, e também visitam a Corda-de-viola, na busca de néctar para sua alimentação.
Ela estava entre uma área de pastagem de gado e um cafezal.
O uso de herbicida e outros similares destroem espaços iguais a este da matéria, que além dos beija-flores, também seria fonte de alimento para borboletas, abelhas, etc.

Beija-flor-rabo-branco-acanelado – Phaethornis pretei

Espaços rurais, sem intervenção do homem, de qualquer tipo, acabam se transformando num espaço muito interessante para pequenos animais, num nicho ecológico.
Ali se forma fonte de alimento, refugio.
Durante este período de observação, também pude notar a beleza da iridescência do beija-flor Estrelinha-ametista, bem como o pólen de cor branca espalhados pelo corpo dos beija-flores, dai sua importância na polinização.


Outras imagens do linda fazenda.
Obrigado, aos amigos Cláudia e Rodolfo, pela  atenção.
Estância mirante da onça,
Coordenadas geográficas:  S 21º 23' 59.00", W 46º 54' 47.34" , 
Bioma predominante; Mata Atlântica.

A planta Corda-de-viola, aqui no topo do morro, a vegetação, açudes.

Animais galopando, em liberdade.

-Estrelinha-ametista – Calliphlox amethystina
Voar e coçar ao mesmo tempo, viva os beija-flores.
Estas fotos são de minha autoria

PLANTA NUMERO 4